Link: Maluf e os efeitos sociais positivos do Minhocão

“É a mesma coisa de sempre: quando a coisa vira boa, tiram-se os pobres. Senão por políticas oficiais, pela força do dinheiro. Por isso, antes de se falar em destruir o elevado ou transformá-lo em parque, a reivindicação deve ser outra: a apresentação de um plano, por parte da Prefeitura, de regulação de preços e proteção aos moradores de menor renda que lá moram. Essa deve ser a luta no atual momento. Sob o risco, se não o fizermos, de carregar a culpa de ter defendido a criação de algo que pode tornar-se um dos projetos mais gentrificadores que a cidade já teve.”

Original no Cidades Para Quem? Link: http://cidadesparaquem.org/blog/2014/8/22/maluf-o-minhoco-e-a-gentrificao

Depois de The Last of Us, todos os jogos ficaram sem graça

(atualizado: o Submarino está com uma mega promoção em games (jogos e consoles) com até 60% de desconto, uma boa oportunidade para comprar seu The Last of Us . Clique aqui para saber mais.)

Submarino, dia de games

Meu irmão viajou e deixou o PS3 em casa. Trouxe os obrigatórios jogos de tiro Modern Warfare, os Need for Speed para corrida e tantos outros. E me apresentou The Last of Us, um jogo de sobrevivência e horror com uma estória ótima e tensa, perfeição técnica na trilha sonora (feita pelo ganhador do Oscar Gustavo Santaolalla, de Babel), nos gráficos, na dublagem, no roteiro soberbo com uma técnica narrativa tão bem integrada ao jogo (gameplay) que beira à perfeição.

Depois de jogar, não consegui jogar mais que 15 minutos nenhum dos outros jogos que meu irmão trouxe. São simplesmente insatisfatórios e sem graça.

The Last of Us é um jogo que só reforça minha crença de que jogos são a mídia e linguagem perfeitas para a história perfeita da humanidade.

Se ainda não jogou, não perca tempo, tem na Amazon ( Versão PS3 / Versão PS4 ) , no Submarino ( PS3 / PS4 } e na Livraria Cultura ( PS3 / PS4 )

(atualizado: o Submarino está com uma mega promoção em games (jogos e consoles) com até 60% de desconto, uma boa oportunidade para comprar seu The Last of Us . Clique aqui para saber mais.)

Submarino, dia de games

Link: Carrolatria em São Paulo, por Ricardo Alexandre

Mais simbólico, impossível. Paulistano de verdade devem ser os que andam de carro e que jamais, em hipótese nenhuma, deixariam seu bólidos na garagem. Afinal, somos a cidade mais rica do país, e ricos andam carregados nos ombros pelos pobres. Ricos são os que estão dentro do carro e que têm a preferência no confronto do dia-a-dia no trânsito. Que os pedestres abram espaço para o progresso e para a riqueza.

[...]

Para contrariar essa carrolatria em prol do amor por uma cidade não basta coragem. É preciso certo impulso suicida. O paulistano dificilmente verá o resultado dessa política dentro do primeiro mandato do prefeito – especialmente com o escoadouro nos investimentos no metrô na cidade. A rejeição a Haddad só tenderá a aumentar e teremos, então, certeza de que o paulistano quer ser tratado como um idiota consumista refém dos símbolos mais tolos de sucesso.

Original e completo em http://entretenimento.r7.com/blogs/ricardo-alexandre/carrolatria-em-sao-paulo-20140729/

E os EUA descobrem a militarização da polícia

Na esteira de conflitos entre um grupo de pessoas protestando pela morte de um jovem negro e policiais, o problema da militarização da polícia começa a chamar atenção também nos EUA.

There is no vital trend in American society more overlooked than the militarization of our domestic police forces.” The Huffington Post’s Ryan Grim, in the outlet’s official statement about Reilly’s arrest, made the same point: “Police militarization has been among the most consequential and unnoticed developments of our time.”

[...]

The report documents how the Drug War and (Clinton/Biden) 1990s crime bills laid the groundwork for police militarization, but the virtually unlimited flow of “homeland security” money after 9/11 all but forced police departments to purchase battlefield equipment and other military paraphernalia whether they wanted them or not. Unsurprisingly, like the War on Drugs and police abuse generally, “the use of paramilitary weapons and tactics primarily impacted people of color.”

https://firstlook.org/theintercept/2014/08/14/militarization-u-s-police-dragged-light-horrors-ferguson/

via Facebook do Trabalho Sujo

Vídeo: O relatório da privacidade – os espiões da NSA estão vendo você nú

Ativista de privacidade, segurança e liberdade civis, Rick Falkvinge, agora tem um programa no YouTube: Liberties Report. A edição de 19 de Julho foca na possibilidade de agências de espionagem como NSA, GCHQ e outras interceptando (e espalhando) vídeos e fotos de pessoas nuas ou praticando sexo, o GCHQ manipulando enquetes para mudar a opinião pública ( colocando em risco até mesmo a possibilidade voto transparente em eleições )e outras violações de direitos civis.

Vídeo em inglês, no YouTube:

“This week’s liberty discussions have revolved around the United States’ spy agency NSA, and the fact that its employees see intercepted nude and sexual private photos as a fringe benefit of the job, passing private intercepted photos around between colleagues. This is according to a seven-hour interview with Edward Snowden by The Guardian.

Anybody who says they have nothing to hide so they have nothing to fear should have pause as facts such as these start appearing. In particular, people who dismiss the spying on civilians with an “it’s not like they see me naked” should reconsider their argumentation at this point. While there’s obviously nothing wrong with a naked body as such, this is just as obviously still a breach of confidence, integrity, and privacy of civilians.

However, it’s also not new. This started becoming known with one of the NSA’s many accomplices, the spy agency in the United Kingdom, GCHQ. It turns out that they try to intercept exactly everything that passes London and the UK, and that the GCHQ has a special program in place to intercept civilian webcam chats from Yahoo, a program called OPTIC NERVE, which is indeed some nerve. They routinely intercepted nude and even sexual private video conversations. From their own document about evaluating this program:

“It would appear that a surprising number of people use webcam conversations to show intimate parts of their body to the other person.”

NO SHIT, SHERLOCK!? And these are the geniuses we trust with keeping our countries SAFE!?”

Vídeo: A polícia que temos X a polícia que queremos X a polícia que precisamos

Eu caí na besteira de ver este vídeo perturbador antes de dormir e tive uma noite horrível. Pensei muito se deveria publicar ou não e decidi que sim, pois mais gente deveria ficar perturbada por ele e ajudar a pensar que tipo de polícia queremos.

Eu acho que uma força policial é necessária, mas nãoo acho que deva ser uma força policial militar, especialmente nos moldes e nos dogmas da Polícia Militar que temos hoje.

Também não acho que todo policial seja um crápula, embora a imensa maioria das minhas experiências com polícia tenham sido ruins (e não só a militar). Mas creio mesmo pessoas bem intencionadas ali estão sujeitas ao dogmas e à influência de sádicos e vão se insensibilizando, introjetando a forma errônea de pensar e agir, assumindo o paradigma nefasto que temos hoje.  Algo que se torna pior quando se pensa a pressão e os perigos aos quais os policiais estão sujeitos, sem a devida formação (cultural, intelectual, física, tática, etc), sem os devidos equipamentos, sem o devido salário e dignidade (problema aliás, da imensa maioria dos trabalhadores brasileiros).

Espero mesmo que o vídeo choque e desperte algumas pessoas para o problema que é polícia nos moldes atuais e, nos policiais com alguma boa vontade, que repensem seu papel. E aos dois lados, que se perguntem, a quem interessa ver um ao outro como inimigos e prolongar a bárbarie. PS: Os comentários estão fechados para evitar polêmica pela polêmica.