Arquivos da categoria: música

Vídeo: U2 – Under a Blood Red Sky

U2 - Under a Blood Red Sky

Capa do álbum U2 – Under a Blood Red Sky

Um dos melhores álbuns  “ao vivo” que já ouvi é o Under a Blood Red Sky, do U2. Curto, simples, arroz com feijão bem feito, reunindo algumas das melhores músicas da primeira fase do quarteto irlandês num cenário incrível.

O Bono desde sempre teve aquela pegada “eu sou o messias” nas suas performances, mas aqui, ao menos para mim, ainda tem um certo charme e parece honesto. Ao contrário do estilo messias “poser” de hoje.

Dá para ouvir no YouTube:

E tem em DVD na Cultura e uma edição “de luxo” com CD + DVD na Amazon .

Música: Modern Apprentice (Asian Dub Foundation)

I am a modern apprentice
I believe in the life-long learning
‘Ain’t gonna take away this natural yearning
To know the truth
The truth about the lies you’ve been giving
It’s not a state of affairs that that I’m prepared to live in
I will find out for myself

(Asian Dub Foundation, Modern Apprentice)

81 anos de Nina Simone e a música perfeita

Se viva estivesse, Nina Simone hoje faria 81 anos. O que Nina fez na música Sinnerman, na minha modesta opinião, é o que mais se aproxima de uma música perfeita e agradeço muito por ela ter nascido e feito o que fez.

Se você gostou e quer conhecer mais, tem coletâneas e caixas especias ótimas na Amazon
, Livraria Cultura e Submarino.

Vídeos: David Bowie sobre Pixies

Sempre gostei muito de Pixies, mas cada vez mais, vem galgando os degraus na minha lista de bandas preferidas e a lista de melhores bandas que já ouvi (que são duas coisas diferentes).

No primeiro vídeo abaixo, David Bowie conta por quê acha Pixies do caralho. No segundo e no terceiro, Bowie faz versões de músicas do Pixies: Debaser e Cactus.

Bowie sobre Pixies

Bowie e Tin Machine em cover de Debaser (Pixies)

Bowie fazendo cover de Cactus (Pixies)

Black Sabbath na praça

Andando na praçona do bairro, todo animado sob o sol e entre as árvores, passando por e dando bom dia para muitas famílias brincando com suas crianças, senhoras e senhores caminhando para manter a saúde.

Alegria e sorrisos por todo o lado… e no meu fone tocando isto:

Type O Negative, fazendo versão malvadona para Black Sabbath. Não deixa de ser engraçado.

Tarantino fala sobre suas influências musicais na BBC

Tarantino fala sobre suas influências musicais na BBC

Entrevista de Quentin Tarantino – diretor de clássicos modernos como Cães de Aluguel, Pulp Fiction, Kill Bill e Inglorious Basterds – sobre suas influências musicais na BBC 6: http://bit.ly/15lEPgZ

Só para registro, minhas 3 trilhas sonoras em filmes de Tarantino: Kill Bill, Pulp Fiction, Django Unchained.

Tarantino fala sobre suas influências musicais na BBC

Tarantino fala sobre suas influências musicais na BBC

15 anos da morte de Tim Maia. Foto de Tim sorrindo nos anos 1970.

15 anos da morte de Tim Maia

Tim Maia mandando ver no palco, nos anos 1970.  15 anos da morte de Tim Maia.

Tim Maia mandando ver no palco, nos anos 1970.

Hoje faz 15 anos que Tim Maia morreu. E é merecido que esteja sendo reconhecido, com um musical baseado em sua vida e adorado por músicos de vários gerações, incluindo sendo valorizado lá fora, com coletânea nova e tudo.

E fiquem com um pouco de sua música nesta tarde de sexta. Com mais agudos, mais graves, mais retornos, mais suínge, mais tudo.

Tim Maia – Não Vou Ficar

Tim Maia – Você

Tim Maia – O Caminho do Bem

Tim Maia – Racional (álbum duplo, inteiro)

Tim Maia – Música e Livros

Letra censurada de música de Adoniran Barbosa na ditadura militar por motivos subjetivos. Com notas do censor.

A ditadura é você. Da censura à Adoniran Barbosa ao elitismo nas redes sociais

A ditadura – de esquerda, centro ou direita – produz de mortes e traumas diversos como torturarem crianças a crimes mais prosaicos, e ainda assim perigosos, como a censura à letra de uma música de Adoniran Barbosa. O mais incrível e digno de nota é o fator subjetivo levado em consideração para o veto: falta de gosto.

Letra censurada de música de Adoniran Barbosa na ditadura militar por motivos subjetivos. Com notas do censor.

Letra censurada de música de Adoniran Barbosa na ditadura militar por motivos subjetivos. Com notas do censor.

À parte a óbvia incapacidade do censor em entender a licença poética e irônica da música, ele impõe o seu gosto e visão pessoal do mundo sobre a obra de um artista consagrado, sobre a liberdade de expressão deste artista e, principalmente, sobre uma população.

A imposição de gostos, modos, condutas e pensamento, é tão perigosa quanto armas, especialmente quando baseadas apenas em fatores subjetivos.

Infelizmente, isto não acontece só em ditaduras oficiais ou institucionalizadas. Acontece todo dia e feito por pessoas como eu, você ou nossos vizinhos e colegas de trabalho.

Acontece todos os dias, quando um juiz confunde os limites entre crenças pessoais e leis, quando deputados, senadores, vereadores e outros legisladores fazem leis e políticas que seguem somente sua forma de pensar e atacam minorias.

Acontece nas propagandas, nos programas televisivos e imprensa, quando direta ou indiretamente, explicita ou implicitamente, te dizem o que comprar, o que fazer, o que vestir, o quanto pesar, como e com quem fazer sexo para tenha uma vida plena e feliz.

E, pior, acontece na maior parte das mensagens em redes sociais, sites pessoais, blogs e afins, onde todo mundo quer se mostrar mais entendido, mais sábio, mais bonito e impor seus gostos, conceitos, modos e condutas como o único correto e digno. Mesmo as pessoas que defendem minorias ou grupos prejudicadas, frequentemente tem o mesmo comportamento e esquecem do direito do outro existir, falar, defender uma idéia diferente, ouvir música “ruim” (“isto não é música” é frase corrente por aí), ou mesmo ser idiota.

Não é a toa que ainda se encontra muita gente defendendo a volta de uma ditadura do Brasil. Além de estarem com medo e desamparados em meio à violência, falta de controle e e uma zona de conforto, querem impor seu modo de vida ao resto da nação.

No fundo, parece que todos querem ser vistos como sábios e fazer parte da elite que dirige a vida alheia, pois sabe o que é melhor para o outro.

Então, na próxima vez que for comentar do gosto ou posições políticas e sociais de alguém e reclamar o seu direito de expressão, cuidado para que ditador na história não seja você.

Letras Censuradas na Ditadura – Adoniran Barbosa

Reprodução do texto de Rafael Gota para o Imagens Históricas – Histórias Reveladas, no Facebook

Letra censurada da música “Tiro ao Álvaro”, de Adoniran Barbosa, 1974.

Durante a ditadura, diversos músicos tiveram suas músicas censuradas. Antes mesmo do AI-5, artistas como Caetano Veloso, Gilberto Gil, Taiguara, Chico Buarque e Geraldo Vandré eram vistos como “perigosos” pelos militares. No entanto, a censura alcançou artistas que não necessariamente estavam envolvidos em movimentos de esquerda, ou com músicas de protesto, como, por ex., Adoniran Barbosa.

Conhecido como o mais paulistano dos compositores, Adoniran Barbosa usava em suas canções o jeito coloquial de falar dos paulistas. Não querendo problemas com a censura, em 1973 o artista decidiu lançar um álbum com várias canções já gravadas na década de cinqüenta. Inesperadamente, 5 delas foram censuradas, entre elas, “Tiro ao Álvaro”.

Na imagem, podemos observar que a funcionária responsável pela análise, escreveu “a falta de gosto impede a liberação da letra”. E ainda frisa as três palavras que, segundo ela, não deveriam estar presentes na música por não respeitar a forma gráfica correta.

Texto: Rafael Gota
Administração Imagens Históricas.

Fonte: Arquivo Nacional, Fundo Divisão de Censura de Diversões Públicas

Este e outros documentos estão em nosso banco de dados:
www.memoriasreveladas.gov.br

David Gilmour, guitarrista do Pink Floyd que faz 67 anos, na juventude.

Feliz aniversário, David Gilmour

David Gilmour, guitarrista do Pink Floyd, que faz 67 anos em 2013

Feliz aniversário, David Gilmour.

Hoje o guitarrista do Pink Floyd, David Gilmour, faz 67 anos. Guitarrista de primeira e também cantor, é um dos meus músicos preferidos e devo muitos momentos bons e de paz de espírito à seus solos e vocais.

Bora ouví-lo em 5 momentos distintos.

Pink Floyd – High Hopes

Música e vídeo absurdamente lindos, composta do Gilmour, do álbum The Division Bell.

David Gilmour & David Bowie – Confortably Numb

David Bowie cantando um clássico do Pink Floyd no concerto Remember That Night, de David Gilmour

Pink Floyd – Confortably Numb

Clássico do álbum The Wall

Pink Floyd – Money

Talvez o solo de guitarra mais conhecido de David Gilmour e um dos mais conhecidos da música ocidental

Remember That Night, David Gilmour – Concerto Completo

Um show de David Gilmour e convidados como David Bowie, Richard Wright (também do Pink Floyd), entre outros.

Obrigado e parabéns, Mr. Gilmour!

Mais David Gilmour e Pink Floyd

Pink  Floyd, The Dark Side of The Moon Immersion Box Set, caixa incrível com CD, DVD, Blu-Ray, Livros e presentinhos para colecionadores e fãs

Pink Floyd, The Dark Side of The Moon Immersion Box Set, Edição de colecionador do álbum The Dark Side Of The Moon CD, DVDs e Blu-Rau com versões ao vivo e extras, além de um livro, cards e outros presentinhos para fãs do que considero o melhor álbum de música já gravado.